Associação 64/68 Anistia
<< Voltar

Rodger Rogério: música de qualidade está fora da programação das grandes emissoras de rádio e tv

"A música de qualidade está fora da programação das grandes emissoras" (de rádio e televisão). A declaração é do cantor e compositor Rodger Rogério em entrevista concedida ao blog Coluna da Hora. 

Para Rodger, "a música brasileira nunca perdeu a qualidade. Em qualquer pedaço deste chão tem sempre alguém que canta, com talento, seu tempo, seu amor, sua gente ou seu lugar. A baixa qualidade é da programação das emissoras de rádio e televisão. 

Rodger Rogério se apresentará neste sábado, a partir das 10 horas, no evento Anistia - 15 anos - Tempo de Lutas e Desafios, em comemoração aos 15 anos da Associação 64/68 Anistia, no Container Art Mall, na Rua Leda Pereira, 534, Parque Manibura. Um dos maiores nomes do Pessoal do Ceará, Rodger é autor das músicas Bye, Bye Baião, Chão Sagrado, Retrato Marrom e O Lago, entre outras. Paulo Verlaine - Quinze anos após a passagem do milênio, pode-se dizer que a canção acabou? Chico Buarque, um dos ícones da MPB, declarou, numa entrevista concedida em 2004 ao jornal Folha de S. Paulo, que a canção morreu. Morreu mesmo? Rodger Rogério - A canção acabará jamais.. A música e, em particular,a canção, é a expressão da alma coletiva... 

PV - Mesmo tirando de lado o romantismo e as letras que falam de amor, há espaço hoje para música popular de qualidade, como a que se fazia nos anos 60, 70 e 80? 

 RR- Sem dúvida Na música, na vida, no Universo, em tudo, o ritmo é fundamental, tudo é cíclico e há espaço e tempo para tudo. O que mudou muito foi o mercado.Este está aturdido. 

 PV - Entre os valores novos surgidos (as) dos anos 90 para cá você citaria quem?

RR - Prefiro não citar nomes pois são muitos e do mais alto valor. Grandes talentos, artistas verdadeiros. 

 PV - O acesso aos bens de consumo, principalmente no que se refere aos aparelhos tecnológicos - televisores LED, HD, computadores, pen drives, etc – teria contribuído para a baixa qualidade da música popular produzida hoje no Brasil, como pensam alguns elitistas? Ou a queda na qualidade do ensino é responsável pelo lixo que se ouve no País? 

 RR - A música brasileira nunca perdeu qualidade, pelo contrário, em qualquer - pedaço deste chão tem sempre alguém que canta, com talento, seu tempo, seu amor, sua gente ou seu lugar. A baixa qualidade é da programação das emissoras de rádio e televisão. 

 PV - Nos anos 50, 60, 70, 80, até os 90 até a música chamada brega, o forró (Trio Nordestino, por exemplo), lambada (anos 90) e outros modismos de massificação musical tinham mais qualidade do que as coisas produzidas de 2000 para cá. O que aconteceu? RR -A música de qualidade está fora da programação das grandes emissoras. 

PV – Como qualifica o seu trabalho musical atualmente? E o do passado? Se arrepende de ter deixado de fazer alguma coisa, tipo ceder à massificação para alcançar multidões e as paradas de sucesso? 

 RR - Minha relação com a música é amorosa e sem arrependimentos. Hoje eu gosto muito de cantar, coisa que antes a timidez me proibia. O Curso de Arte Dramática da UFC me ensinou a driblar a timidez. 

 PV - Passando para a política, a que atribui a agressividade e o baixo nível do debate político hoje, intensificadas durante e após a última campanha presidencial? Há presença da direita, dos piores setores da direita (adeptos do Bolsonaro e dos pastores Malafaia e Feliciano) em muitos setores da sociedade, principalmente nas redes sociais. Sentimentos como o racismo, a misoginia, a homofobia e a defesa da ditadura militar e do apartheid social afloraram com grande intensidade. Isso estava adormecido, incubado, mas latente. O que deflagrou essa onda fascista no Brasil? 

 RR - Educação, não confundir com adestramento, educação libertadora. Educação com Ciência e Arte.é o tratamento para muitos males brasileiros, inclusive desses males de agressividade, preconceito e intolerância.Música na Escola já seria um bom primeiro passo nesse rumo da libertação. Esses sentimentos de ódio sempre existiram na nossa sociedade. Agora a Democracia da web permite uma amplificação de qualquer ideia ou sentimento. 

 PV - Como se sente num evento de anistiados políticos? 

RR - É um encontro emocionante, é uma reunião de pessoas que sonharam juntas quando jovens. 

 PV -Como vê o papel do Pessoal do Ceará na MPB. 

 RR - Essa turma da música da nossa geração deu uma rica contribuição ao repertório musical brasileiro , honrando uma tradição que vem de Alberto Nepomuceno, Paurílo Barroso,Aleardo Freitas, Lauro Maia, Humberto Teixeira, Zé Meneses, Evaldo Gouveia...