Associação 64/68 Anistia
<< Voltar

SITE PLURAL EM DEFESA DA DEMOCRACIA

          Realizamos hoje compromisso assumido no evento de apresentação da diretoria da Associação 64/68 Anistia à sociedade cearense em 14 de novembro de 2015: a criação de um site na internet para divulgar nossas atividades, as posições assumidas pela entidade em defesa do Estado Democrático de Direito, da legalidade, das conquistas democrático-sociais e das reivindicações dos movimentos populares, das mulheres e de todos os setores da sociedade vítimas de discriminação e preconceito.
          O País atravessa – desde que forças antipopulares e antinacionais começaram a articular o golpe contra a reeleição da presidenta Dilma Rousseff – um dos momentos mais difíceis de sua história. A Associação 64/68 Anistia está consciente dos desafios do momento atual e vem participando das manifestações populares em defesa do mandato da presidenta e a favor da democracia e das conquistas sociais obtidas nos últimos 12 anos, bem como do aprofundamento de reivindicações dos trabalhadores e da defesa dos interesses do estado nacional brasileiro.
O site que ora se inaugura segue os mesmos princípios assumidos pela Associação 64/68 Anistia ao longo de 15 anos de existência: não é vinculado a nenhum partido político e está aberto a todas as correntes de opinião, até mesmo as que se opõem aos nossos pontos de vista.
        A desvinculação a partidos, no entanto, não nos afasta dos nossos compromissos políticos maiores: as causas acima citadas. Estaremos sempre ao lado dos que defendem uma sociedade mais justa – sem distinção de sexo, cor, opção sexual ou condição social – um Brasil soberano e o aperfeiçoamento da democracia no sentido de que esta atenda aos interesses do povo, fazendo jus às origens gregas da palavra, e não seja um sistema que beneficia apenas as classes dominantes, maquiado por fachada parlamentar e judicial que nada tem a ver com as aspirações da população.
          Nessa caminhada estamos irmanados com os que defendem os mesmos ideais, abrigados em qualquer sigla, mas vamos manter sempre a nossa identidade de associação pluralista, aberta a todas e todos que desejem contribuir para o aperfeiçoamento da democracia.
          Falemos um pouco mais sobre o site. Nosso objetivo é mantê-lo atualizado cotidianamente, sempre que possível, com notícias de interesse público, principalmente as ligados com os temas já citados e com as causas dos anistiados políticos. Pretendemos manter contatos com entidades ligadas à causa da Anistia em todo o Brasil, com intercâmbio de notícias com vistas a possíveis trabalhos em conjunto. Idêntica preocupação ocorrerá em termos internacionais.
          Ainda de acordo com nossos princípios e linha editorial procuraremos dar especial atenção ao período da ditadura militar brasileira e à história recente do País, notadamente a episódios relativos ao Ceará. Vamos resgatar para o presente, e para as gerações mais jovens e para as futuras, as lutas de grandes cearenses que se empenharam, às vezes com o sacrifício da própria vida ou de muitos sofrimentos, na luta contra o arbítrio e em defesa da democracia.
Outro ponto alto do site da Associação 64/68 Anistia será a entrevista mensal com personalidade da política, dos movimentos sociais, da atividade acadêmica, dos meios intelectuais e artísticos que vão falar sobre assuntos diversos. Além do entrevistado, participarão do debate outros convidados especiais: jornalistas e pessoas ligadas aos movimentos sociais.
          O site que hoje se inicia é mais uma contribuição nossa na luta em defesa da democracia, dos direitos humanos e do estado nacional brasileiro, hoje ameaçados pelo golpismo, representado por forças antidemocráticas e antinacionais. Estamos à disposição de todos os que desejarem se engajar nessa caminhada e nesse bom combate. Que todos participem do sonho que agora vira realidade.

Projeto Marcas da Memória

ACERVO DA ASSOCIAÇÃO 64/68 ANISTIA

No Brasil existem produções bibliográficas, manifestações sociais e várias iniciativas de conscientização da sociedade através de ações de resgate da memória sobre a ditadura civil-militar de 1964. Esforços nesse sentido vêm sendo conduzidos pelo Ministério da Justiça e por entidades, ao reunir documentos e depoimentos que passaram a compor os processos de julgamento e indenizações.
No Ceará, essa tarefa tem sido realizada pela Associação 64/68 Anistia - entidade que reúne pessoas que foram alvo das violências praticadas pelas ditaduras, em especial a de 64. Fundada em 1999, tem como linhas de ação o apoio jurídico, a formação e a divulgação da memória desse período.
A Associação possui o Centro de Documentação - CEDOC - resultado do esforço de preservação de objetos de memória sobre a Ditadura no Ceará, a variedade de fontes de pesquisa auxilia principalmente estudantes, professores, historiadores, sociólogos, cineastas, artistas e profissionais dos meios de comunicação.
O CEDOC reúne livros, dissertações e teses cujos conteúdos se referem ao contexto da ditadura militar no Ceará e aos processos de anistia política, documentos oficiais que registram a prisão de perseguidos políticos como: prontuários e fichas de detidos; inquéritos policiais; processos militares; informes e análises secretas dos órgãos de segurança e informação; vídeos; arquivo de cenas; poesias; artesanatos produzidos por presos políticos; fotografias; relatos pessoais arquivados de pessoas que sofreram perseguição, privação de liberdade, tortura e outras formas de violência; publicações da imprensa oficial, datadas do período Militar, que noticiam acontecimentos locais e fatos de relevância nacional; publicações da imprensa clandestina, datadas do período Militar, que registram os crimes cometidos pelo Estado e o posicionamento das organizações de resistência acerca dos acontecimentos de impacto local e fatos de relevância nacional; matérias mais recentes da imprensa local e nacional acerca do tema da perseguição política e da Anistia no Brasil.
Entende-se a importância dos documentos e relatos escritos coletados, registros orais da história de perseguidos políticos e personagens que se destacaram na luta contra a ditadura, estes constituem um patrimônio imaterial importante para a construção do conhecimento sobre a história recente do país, estando em consonância com outras ações já existentes, como exemplo o Memorial da Anistia.


Metodologia do Acervo
Como metodologia de trabalho foi aplicado técnicas de organização do acervo, baseado nos padrões de sistematização da ciência biblioteconômica. O trabalho de seleção, armazenamento e coleta foi orientado pelo modelo de:

⦁ Catalogação: que trata de enumerar inventariar e relacionar em catalogo;b) indexação – atenta para a listagem, um modo de ordenar o material em estrutura de índice; c) classificação – gera análise e descrição do material, são levantados dados como, tipo de processo, datas, local de origem, pessoas envolvidas, etc.; d) recuperação – manipulação física do acervo propõe adequar o material as formas de longevidade; e) armazenamento digital – o programa Personal Home Library (PHL) apoia a administração das coleções e serviços voltados a bibliotecas e centros de informação, além de uma organização primária no programa Excel.
Norteamo-nos por normas como NOBRADE e AACR2. Apresentamos as formas deste procedimento, analisando seus critérios, no tempo e espaço definidos a cada um de seus itens, bem como as propostas de abordagens para interagir de maneira sistemática e efetiva com o usuário, estabelecendo a ponte entre os interesses da Associação e as demandas dos pesquisadores.

Estas técnicas ajudaram a definir o acervo, auxiliando assim, na identificação do patrimônio documental. A trajetória de criaçãodo banco de dados gera informações através da análise de conteúdo e descrição dos documentos, ordenados cronologicamente. Acredita-se que as técnicas descritas tornaram o acervo acessível ao público.

Acervo da Associação 64/68 Anistia
O acervo reune: livros, dissertações, teses, revista, folhetos, jornais e documentos, cujo conteúdo se refere ao contexto da ditadura militar no Brasil, em outros países e no estado do Ceará. O acervo, também, conta com processos de anistia política, documentos oficiais que registram a prisão de perseguidos políticos como: manifestos, poesias, dossiês, cartas e publicações da imprensa oficial, datadas do período militar, assim como, publicações da imprensa clandestina, registrando crimes cometidos pelo Estado e o posicionamento das organizações de resistência acerca dos acontecimentos de impacto local e fatos de relevância nacional. Além das matérias recentes, da imprensa local e nacional, acerca de temas como a perseguição política, Comissão da Verdade e Anistia no Brasil.


Histórico do acervo

Inicialmente, eram 223 pastas temáticas, que se distinguiam por temáticas diversificadas e com pouca definição. Atualmente foi reduzido para 23 pastas, com a elaboração de subtopicos que agregam, séries detalhas das temáticas, com objetivo de ampliar possibilidades de cruzamento de informações e oferecer ao pesquisador maior definição dos dados coletados.

A distribuição de documentos catalogados, por assunto, em pastas distintas, nos permitiu maior articulação das temáticas distribuindo os assuntos em classes e subclasses obedecendo ao princípio da sequencia útil (operação de itens num esquema de classificação de modo a permitir apresentação dos assuntos nas estantes, em sequencia levando o usuário ao tema específico desejado.)

Muito dos documentos em pastas separadas permitiram a interseção de informações contidas nos itens e descritores. Por exemplo, o documento A contém informações que são pertinentes aos documentos B e C, e por isso são relacionadas por área temática, visando maior definição aos usuários finais.


Patrimônio material: documentos
Atualmente, pode-se ter noção do que consta no acervo em sua forma mais generalizada, considerando o levantamento dos documentos. A definição sistemática do acervotornaacessível e rápida as investigações no material. A buscafacilitada pela sistematização do banco de dados, através do critério de catalogação, identifica: a) códigonumérico; b) título do jornal; c) data da emissão; d) descritores – palavras-chaveauxiliandodiretamentenabusca do assunto.
A Associação 64/68 Anistia, no sentido da preservação da memória, de acervosmateriais e imateriais, públicos e privadosdisponibiliza o acessoaopúblicoemgeral, atualmente, com o reforço do projetoMarcas da Memória que estimulacomofonteadequada de pesquisa e análise, as diversastemáticas que compõe a coleção, através de novosinstrumentos de organização, mapeamento, conservação, catalogação, digitalizaçãocontribuindo com a preservação da tradiação de 15 anos de acervo, marcandoumamemóriadiferenciada que passaram a se reveler cadavezmaiscomplexascomopatrimônioimaterial.

Acervo virtual:
No site da Associação 64/68 Anistia, www.anistia64-68.org.br, os conteúdos são disponibilizados, permitindo que o público leitor tenha acesso, através das novas tecnologias de informação e comunicação, às histórias de perseguição e luta contra o arbítrio. É importante salientar que o site contribui para o não-esquecimento da história recente do Brasil.

⦁ Caixa de busca - sistema NOBRADE/
⦁ Biblioteca virtual: todos os livros doados e adquiridos já estão cadastrados no sistema NOBRADE/PHL.8, busca virtual.
2) Caixa de busca – criar formas de acesso para: textos, artigos acadêmicos, monografia, dissertações e teses - em formato PDF para download
3) Caixa de busca – criar formas de acesso para: acervo de Jornais (O Povo. Diário do Nordeste, etc), Revistas (Isto É, Veja) e IPM’S digitalizadas. As informações já estão indexadas nas planilhas no excel, contendo: Título da notícia; Caderno; Data; Descritores textuais.
Este material será acessado virtualmente, e está dividido em 21 Pastas: (1) Ditadura em outros países; (2) Anistia política; (3) Associação 64/68 Anistia; (4) Presidentes da América Latina; (5) Presos políticos; (6) Comemoração e eventos; (7) Ditadura militar no Ceará; (8) Indenizações; (9) Torturadores (10) Desaparecidos, torturas e mortos; (11) AI -5; (12) Presidentes da América Latina; (13) Mulheres e Ditadura; (14) Comissão da Verdade; (15) Filme, músicas, teatro, arte; (16) Tortura no Ceará; (17) Guerrilha do Araguaia; (18) Personalidades Cearenses; (19) Livros e lançamentos; (20) Frei Tito e Igreja; (21) Categorias trabalhistas
4) Acervo iconográfico (criar link de acesso aos álbuns com títulos e texto informativo) - fotos registradas durante a Ditadura Militar no Ceará, fotos de eventos, palestras, reuniões, festas, manifestações, intervenções artísticas, cartazes e demais imagens do passado e presente para compor o banco de imagens.

O acervo dos jornais
O acervo reserve coletâneas importantes, partindo desde periódicos temáticos como os jornais: O Movimento, Tribuna da Luta Operária, Brasil de Fato, Gramado,como jornais recentes e de grande circulação na cidade, como o jornalO Povo e Diário do Nordeste. Todo o arranjo desses jornais faz-se necessário e atual para a preservação da memória, além das descobertas de novos temas e questões sobre o período da ditadura militar no país, em outros estados e no Ceará. (COMPLETAR)

Jornais do Acervo

O acervo reserve coletâneas importantes, partindo, desde periódicos temáticos comoosjornais: O Movimento, Tribuna da Luta Operária, Pasquim, Gramado, como jornais recentes e de grande circulação na cidade, como o jornalO Povo e Diário do Nordeste. Todo o arranjo desses jornais faz-se necessário e atual para a preservação da memória, além das descobertas de novos temas e questões sobre o período da ditadura militar no país, em outros estados e no Ceará.
Para melhor detalhar o processo de catalogação dos jornais, o gráfico abaixo, apresenta o momento atual da produção da sistematização e identificação de cada notícia. Os desdobramentos minuciosos podem ser conferidos nas planilhas de Excel. Pensamos que dessa forma, a investigação por estudantes, pesquisadores, militantes e demais curiosos, podem ser facilitadas e rapidamente localizadas pela particularização focada em cada informação noticiada.

Patrimônio material: documentos

Atualmente, pode-se ternoção do que consta no acervoemsua forma maisgeneralizada, considerando o levantamento dos documentos. A definiçãosistemática do acervotornaacessível e rápida as investigações no material. A buscafacilitada pela sistematização do banco de dados, através do critério de catalogação, identifica: a) códigonumérico; b) título do jornal; c) data da emissão; d) descritores – palavras-chaveauxiliandodiretamentenabusca do assunto.

Campanha de Arrecadação para o Acervo
A Associação 64/68 Anistia entende que a memória é uma construção da representação do passado, no tempo presente. Tanto a memória social, como a memória individual é seletiva, por isso, a importância de registrar os acontecimentos de um dado período.

O acervo, patrimônio documental e histórico, foi construído através de doações das instituições, amigos, sindicatos e familiares.

Para ampliação do acervo, mobilizamos a sociedade a continuar contribuindo com as doações de documentos, fotos, jornais e afins, sobre a ditadura militar no Ceará.


Jornal O Movimento

O jornal ‘O Movimento’ criado em 1975, nos anos da ditadura militar, foi fundado pelo jornalista Raimundo Pereira, sua proposta era de representar uma frente ampla das forças de oposição ao regime, além de centralizar a atuação na luta pelas liberdades democráticas. Desde o surgimento, o jornal foi alvo da censura. Em 1978, quando a censura prévia foi suspense, o jornal calculava que tinham sido cortados, até aquela data, nada menos que 3.093 artigos e 3.162 ilustrações.
A principal campanha do O Movimento foi pela anistia aos exiliados e presos politicos. Mas na década de 80, o jornal enfrentou sérios impasses: a) ataques terroristas às bancas de jornais; b) processos contra seu director, Antonio Carlos Ferreira, c) e o enfraquecimento frenteampla que o sustentava. Todos esses obstáculos levaram ao fechamento do veículo, em novembro de 1981. O acervo da Associação 64/68 Anistia, no Ceará, inicias eu primeiro periódico O Movimento, datado em: 08/08/1977, com o título – O campo brasileiro hoje – quem tem terra e quem trabalha.

Jornal Mutirão

O jornal ‘O Mutirão’ tem trajetória importante no cenário politico do Ceará como um dos primeiros jornais alternativo do Estado – no período da repressão, contanto desde sua inauguração em 1977, se estendendo por 5 anos de atuação. O jornal era formado por um grupo heteregêneo de militantes do PC do B, PCB, intelectuais de esquerda sem filiações partidárias e profissionais liberais. Dava destaque ao trabalhador operário, revelando a exploração dos operários nas fábricas de castanhas, a arbitrariedade a que eram sujeitos os metalúrgicos, apoiava as lutas dos movimentos sociais em geral. O jornal sofreu perseguição política, quando do período do governo Ernesto Geisel 1974 – 1979.  

Jornal O Pasquim

O jornal ‘O Pasquim’ foi se tornando afinado com debate político à medida que aumentava a repressão no ato AI-5. Em 1969, criado por jovens da zona Sul carioca que estavam dispostos a ocupar o próprio espaço numa sociedade enclausurada e truculenta. O jornal tratava as questões mais sérias do país com irreverência e criatividade de intelectuais no período cinzento da história brasileira, promovendo uma escala diferenciada de pensamentos e críticos combatentes ao regime.

Serviços de Informações e Relações Culturais dos Estados Unidos da América (USIS)
O acervoUSIS reúne documentos de investigação nacional sobre diversas organizações e movimentos de oposição ao regime militar. (INSERIR: QUEBRA DO USIS)

Jornal Tribuna da Luta Operária
O jornal ‘Tribuna da Luta Operária’ criadonacidade de Bauru, São Paulo, declarava-se defensor do proletariadobrasileiro e de pequenosagricultores. Defendia o socialismo, sustentandocomobandeira de luta – acabar com aexploração do trabalho para o lucro dos patrões. O jornal, contava com a colaboração de José Rodrigues Teixeira e do ‘ConselheiroAmbrósio’. Considerado pela políciacomo o membromaisatuante do PartidoComunistanaregião de Bauru, o alemão Carlos Geweacumulavaestigmas; além de serestrangeiro, haviasidodenunciadoprimeiramentepelosecretário da LigaCatólica ‘Jesus, Maria, José’, AryNascimentoCordeiro, que irritado com a publicação do jornalanticlericalista ‘A Voz da Egreja’, denunciou a ligação da oficina do ‘TribunaOperária’ com publicaçõescomunistas. O jornalrevela debates, tem papelsignificativonaimprensaoperária, no modo da organizaçãocoletiva, e noconteúdotransmitidoaopúblicoalvo: as massasoperárias.

Movimento Comunista Internacional (MCI)
Foramdigitalizadosassuntossobrenúcleo de comunicação, processos, auditorias, auto interrogatório, certidões, declarações, auto de inquirição de testemunha, sentença, protocol, apelação, madatos de prisão, investigação e condenação. (INSERIR: notícia jornal relacionado à batida na casa do Prata, recolhendo material político-ideológico.)

Videoteca virtual – ditadura Cerá
Osvídeosdisponíveisna internet sobre o tema da ditaduramilitar no Ceará, no intuito de elaboraraspectosespecíficossobreosfatos da realidade regional. No geral, sãonotíciasacontecimentoslocais e fatos de relevâncianacional; publicações da imprensaclandestina, testemunhas do períodomilitar, que registramações do Estado e o posicionamento das manifestações e práticas de resistênciaacerca dos acontecimentos da dimensão local e fatos de relevâncianacional; matériasmaisrecentes da imprensa local e nacionalacerca do tema da política e exercício do governoautoritário no Ceará.

Hávídeos com baixaquantidade de visualização e circulaçãona internet, no entanto, sãomídias de fundamental importância para a reconstituição da histórianacional e regional. Consta-se com imagens, fotografias, depoimentos, entrevistas que relatamtrajetórias e experiências de vida dos guerrilheiros, militantes, clandestinos, perseguidos, torturados e mortosnesseperíodo. São históriasdesbotadaspeloaquecimento, mas que buscamnamaisaltaexpressão das personalidadescearenses, a remontagem da participação das diversasfrentes e organizações de combateao regime naregião. No total, foramcoletados 147 vídeossobre o período da ditaduramilitar no Ceará.